12 coisas que você precisa saber antes de colocar silicone

8 minutos para ler

Muitas pessoas querem melhorar o aspecto físico por meio da cirurgia plástica, e uma das operações mais comuns, realizadas em todo o mundo é colocar silicone. O aumento do volume dos seios costuma ser o maior desejo de grande parte das pacientes, seguido pela utilização do silicone na região glútea (para aumentar o volume do bumbum), e sendo ainda possível de ser utilizada em outras partes do corpo, como na panturrilha.

Apesar de ser considerada uma cirurgia estética e eletiva, o implante da prótese de silicone também tem função reparadora, seja pela diferença de tamanho entre os seios ou após a retirada de um câncer de mama. Independentemente da motivação para a cirurgia e mesmo sendo um procedimento rotineiro em muitas clínicas pelo país, existem algumas questões sobre as quais a paciente precisa ter ciência antes de agendar a sua operação.

Separamos 7 informações importantes para você, que está pensando em realizar este procedimento. Confira!

1. Escolha do profissional

Ao optar por colocar silicone, o primeiro passo a ser tomado é buscar um médico qualificado e experiente na área da Cirurgia Plástica, capaz de entender suas necessidades e esclarecer qualquer tipo de dúvida.

Para identificar o profissional adequado, pesquise sobre o currículo dele, verifique se realmente é um cirurgião plástico e se existe algum tipo de reclamação sobre ele na internet.

Além disso, observe se ele é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), se tem registro no Conselho Regional de Medicina (CRM), recomendação de pacientes antigas, entre outras informações relevantes que passem confiança e segurança.

2. Menor de idade também pode colocar silicone

Caso seja menor de idade, antes de qualquer coisa, é preciso ter o termo assinado pelos pais, no qual dará autorização para a cirurgia poder ser feita.

No entanto, existem outras condições que devem ser levadas em consideração. Por exemplo, o processo cirúrgico só poderá ocorrer caso todos os exames solicitados pelo médico forem feitos, certificando que o crescimento total das mamas já foi finalizado. Caso isso ainda não tenha acontecido, será preciso esperar mais um tempo.

3. Onde será colocada a prótese

No caso das cirurgias de mama, as próteses podem sem colocadas por baixo da glândula mamária ou por baixo do músculo peitoral. As duas técnicas têm vantagens e desvantagens.

Na primeira, a prótese é alojada entre o tecido mamário e o músculo e costuma apresentar menos dor no pós-operatório. Costuma ser indicada para mulheres mais magras, mas, dependendo da quantidade de pele para cobrir a prótese, pode ficar um pouco artificial.

A aplicação da prótese por baixo do músculo peitoral é feita mais profundamente, abaixo do peitoral e, apesar de ter um aspecto mais natural, não é muito indicada para mulheres com a musculatura muito forte, pois há risco de deslocamento.

O pós-operatório também costuma ser mais doloroso, mas, em compensação, há menos risco de contratura capsular (fibrose em volta da prótese que pode alterar o formato e causar dor) em relação à primeira técnica.

4. O tamanho correto da prótese

Não existe um tamanho correto para a escolha da prótese de silicone, pois vai depender do tamanho da paciente, do volume que deseja para seus seios e de conversar com seu médico sobre a melhor opção para seu tipo físico – para que fique simétrico e harmonioso.

Mulheres com tendência a engordar ou que pretendem engravidar devem ficar atentas para que os seios não fiquem exagerados ou desproporcionais.

5. O formato correto da prótese

O formato correto não tem segredo, é aquele que mais agrade. Existem dois formatos básicos de prótese: a redonda e a gota. Para saber o melhor formato para o seu tipo físico é aconselhável experimentar as próteses por baixo da roupa, simulando como ficaria no seu corpo até escolher o formato ideal.

6. A cicatriz

As cicatrizes resultadas de cirurgias de mama podem ocorrer abaixo da mama, em volta da aréola ou na axila, dependendo do procedimento escolhido. Pessoas com tendência a queloides devem evitar a prótese debaixo da glândula mamária, pois trata-se de uma região de má cicatrização.

A segunda técnica, no entanto, não costuma ser indicada para mulheres que nunca tiveram filhos pois pode prejudicar na amamentação, na sensibilidade e pode não haver sobra de pele.

7. Como é o pré-operatório

No pré-operatório da cirurgia de mamas são pedidos alguns exames, como hemograma, teste de coagulação, HIV, função renal, eletrocardiograma e ultrassom (para mulheres até 35 anos) ou mamografia (para mulheres acima de 35 anos). Além disso, é recomendado que a paciente não fume ou faça ingestão de álcool nos dias que antecedem a operação.

Também é preciso comunicar à equipe médica sobre o uso de qualquer medicamento e alergias, além de cuidar das condições emocionais buscando ficar o mais tranquila possível para evitar alterações, portar os documentos pessoais, exames e guia de internação.

8. O pós-operatório

Os dias após a cirurgia de mama são de repouso, e a paciente precisa ser cuidadosa para não molhar o curativo até a retirada dos pontos, o que ocorre em 14 dias após a cirurgia. A orientação é de que não levante os braços ou durma de bruços, pelo menos, nessas duas semanas.

Também não é aconselhável dirigir ou fazer qualquer esforço por 20 dias, sob o risco do deslocamento da prótese. Algumas atividades só são liberadas pelo médico após 2 ou 3 meses.

Além disso, para garantir o melhor resultado possível, é importante que a paciente siga todas as orientações da equipe médica como, por exemplo, evitar tomar sol antes de 90 dias, não carregar peso, realizar drenagem linfática se for necessário, entre outros.

9. Resultado alcançado

O resultado do procedimento cirúrgico vai depender muito do organismo da paciente. Então, nada de fazer comparações com outras pessoas, como artistas e conhecidos.

Entre os fatores que influenciarão os resultados, está o tecido mamário e a pele de cada pessoa, já que nos casos em que o tecido for composto por um número maior de glândulas e menor gordura, os seios podem ficar mais durinhos. Da mesma maneira, a forma de como o silicone será colocado vai depender de como o seu peito é.

10. Gravidez

Caso a mulher tenha a intenção de engravidar em breve, o recomendável é que a prótese de silicone seja inserida um ano após o parto, em média, ou seis meses após o término da amamentação.

11. Identificação de doenças de mama

O procedimento para rastreamento de doenças de mama é o mesmo para mulheres que têm prótese de silicone e quem não tem. Nesse casso, é importante incluir a mamografia, ultrassom de mama, entre outros procedimentos aos exames preventivos de rotina. Caso haja a presença de algum nódulo, ele será identificado por meio desses exames.

12. Troca da prótese

Sim, as próteses devem ser trocadas entre 10 e 15 anos, pois ficam envelhecidas e perdem a capacidade de reter o silicone. Para saber o melhor período da sua troca, consulte o seu médico.

Existem um tempo recomendável para que a paciente retorne ao profissional depois que colocar a prótese. Dessa forma, os exames solicitados poderão apontar se tudo está acontecendo como esperado. Esse é o motivo do acompanhamento ser tão importante.

Ou seja, para colocar silicone e obter resultados incríveis, é primordial seguir as orientações médicas, ter todos os cuidados necessários e contar com um profissional especializado nesse tipo de procedimento.

Agora que você está por dentro de todas as informações mais importantes sobre colocar silicone, a dica é: procure um médico de confiança, converse com ele, explique seus motivos e suas expectativas, e conte com a orientação dele antes, durante e depois do seu procedimento.

Conseguiu esclarecer suas dúvidas com este conteúdo? Então, aproveite sua visita no blog para ler “Como escolher o tamanho ideal de prótese de silicone para o seu tipo de corpo” e saiba mais sobre o tema!

Posts relacionados

Deixe um comentário